11 excelentes motivos para investir na Ampliação do Projeto Educacional da Associação Educacional Shalom, uma instituição sem fins lucrativos.


POR QUE CONTRIBUIR NA CONSTRUÇÃO DO TERCEIRO PISO

 

  1. Este prédio é da igreja local, portanto, pertence a todos nós. O uso dele é compartilhado com a escola. Portanto, o terceiro andar não é para uso exclusivo do colégio, mas para toda a igreja. Nossa comunidade está crescendo e, por isso, precisamos ampliar o espaço, que usamos para as atividades com crianças, seminários, cursos, reuniões, grupos de apoio, etc. Poderíamos ter dito apenas que construiríamos o terceiro andar, sem fazer qualquer menção à implantação do ensino médio, então evitaríamos questionamentos desse tipo. Mas, para nós, deveria ser, e é, uma enorme honra chegar a essa conquista, pois ampliamos ainda mais nosso ministério na área da educação!

 

  1. A escola não é particular. Só pelo fato de não ser pública, não quer dizer que seja particular. Particular é quando tem um dono, e este dono tem lucro. O Colégio é uma associação sem fins lucrativos, uma entidade filantrópica, ou seja, não tem objetivo de lucro. Por isso, nem pode repassar recurso a qualquer pessoa jurídica (igreja). Todo recurso, segundo seu estatuto, deve ser aplicado integralmente dentro da instituição.

 

  1. Os funcionários e professores do colégio não comem vento, é necessário pagar os salários e os encargos sociais, que são absurdamente altos. Porém, as mensalidades não são altas, são as menores da cidade, porque elas são cobradas na medida do necessário, apenas para pagar salários e materiais didáticos. Toda a estrutura física do prédio, as manutenções, reformas, móveis e utensílios, equipamentos, e até as contas de água e luz, são mantidos pela igreja; tudo na intenção de manter as mensalidades no preço mais baixo possível, a fim de possibilitar que o maior número de pessoas possa ter acesso ao ensino por princípios.

 

  1. Não existe nada de graça. Tudo tem que ser pago; e se algum aluno não paga, é porque outros estão pagando. A igreja até hoje arca com uma dívida gigante que foi contraída na administração anterior, quando não foram recolhidos os encargos sociais junto a receita federal, exatamente por querer facilitar a todos, distribuindo bolsas de estudo a revelia. Ou seja, alguém está pagando hoje o que alguém não pagou no passado.

 

  1. Acreditamos que a igreja tem a grande responsabilidade de educar esta geração a fim de mudar a realidade social no futuro do nosso país. A geração que hoje recebe uma educação por princípios tem grandes chances de mudar a história da nossa cidade e do nosso país ocupando os lugares de influência e relevância nos mais diversos segmentos da sociedade por meio do caráter íntegro, honesto, justo e reto que a abordagem educacional por princípios propõe.

 

  1. O colégio tem um conselho (diretoria e conselho fiscal) formado por pessoas idôneas e de confiança dos pastores da igreja, e a igreja é sua mantenedora. Portanto, por ser uma entidade distinta da igreja, não pode favorecer os membros desta igreja em detrimento dos que não pertencem a sua membresia. Se o fizer, corre o risco de ser processada por discriminação. Todos devem ter igual tratamento, segundo a lei. Os dízimos e ofertas são aplicados nas ações da igreja; não têm a finalidade de pagar as mensalidades dos alunos. Portanto, o fato de alguém ser dizimista não pode lhe fazer pensar que teria o direito de reivindicar educação gratuita no Colégio. São duas instituições, embora associadas, distintas.

 

  1. Responsabilidade social, do ponto de vista bíblico, é praticar atos de justiça para com todos, ricos e pobres. Precisamos ampliar nossa mente! Esta escola não é para ricos ou para pessoas que facilmente conseguem se manter (porque a grande maioria se esforça muito para manter seus filhos aqui); porém, ainda que fosse para os ricos, ficaríamos extremamente honrados em proporcionar riqueza espiritual para os ricos que, muitas vezes, são paupérrimos espiritualmente.

 

  1. Para os que dizem “eu não vou contribuir para a ampliação do prédio porque estarei ajudando alguém que já se mantém”, faço a pergunta: Se a escola não cobrasse nada, oferecesse tudo de graça, cem por cento de bolsas para todos, você estaria disposto a desembolsar infinitas vezes mais do que R$ 50,00 por mês (em dez vezes) para, por tempo indeterminado, pagar as despesas do Colégio que tem um custo mensal acima de R$ 200.000,00?

 

  1. O pensamento egoísta diz: “se eu não posso, então também não vou contribuir para que outros possam”. Mas o generoso não restringe seus atos de amor porque sabe que generosidade não se aplica apenas aos que têm recursos, mas a qualquer pessoa.

 

  1. Há vinte anos atrás começamos este projeto de educação como fruto de um entendimento diferenciado de ser e viver igreja. Poderíamos ter construído um lindo templo, mas preferimos construir um prédio para servir a comunidade. Então, sempre foi assim. Se pensássemos que isso é ajudar os que não precisam de ajuda, então nem teríamos começado essa construção. Ou seja, não pensamos em nós, pensamos na cidade. Esta é a nossa filosofia de ministério: primeiro os outros, depois nós. Essa é a mente de servo: primeiro o outro depois eu. É a mente de Jesus. Se esta não for a mente desta comunidade, não quero ser pastor dela.

 

  1. Os crentes têm uma tendência enorme à mediocridade. Eles querem tudo de graça. A primeira coisa que a maioria pergunta quando aqui chega é como pode conseguir uma bolsa. Mas quase sempre a renda deles é incompatível com a necessidade de bolsa, pois pagam uma prestação altíssima de carro financiado, vestem roupa de marca, moram numa boa casa…, e por aí vai. Na verdade, não entendem o valor de uma educação centrada em Deus, por isso não estão dispostos a fazer um sacrifício abrindo mão de coisas materiais para investir na educação, que produz um valor eterno.

 

Pr. Edson Mesquita