Palavra Conecta // 14 de julho

O PRINCÍPIO DA MULTIPLICAÇÃO

 

Se você tivesse o poder de criar cinco leis para a nação brasileira, quais seriam estas leis? Pergunto isso, pois imagino que quantos de nós colariam uma lei de proibido cobiçar ou desejar as coisas do próximo? Nós não fazemos ideia do quão destrutivo é o pecado da avareza ou ganância para uma família, comunidade e nação. Quantos trilhões de reais foram roubados dos cofres públicos em toda história? Quantos assassinatos são cometidos por causa da ganância. Quantas brigas nas famílias por causa de heranças. Por causa da ganância, as pessoas mentem, roubam e enganam. Por isso, Jesus falou que devemos ter muito cuidado com a ganância. Então lhes disse: “Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens” (Lucas 12:15). Muitos cristãos não conseguem viver o princípio da multiplicação, pois seus corações estão cheios de ganância. “…pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos” (1 Timóteo 6:10). Deus não é contra dinheiro, mas a ganância ou cobiça ao dinheiro faz um mal tremendo para toda a sociedade.

 

Nosso Deus é o Mestre da multiplicação.

 

Vamos ver o princípio da multiplicação no antigo e novo testamento. No antigo testamento, temos exemplo da viúva de Sarepta (1 Reis 17:8-16). Sarepta ficava a 11 km ao sul de Sidon (hoje pertence ao Líbano). Era governada pelo sogro de Acabe, Etbaal. Toda aquela região estava passando por grande seca. Elias encontra uma viúva e pede água e comida. Enquanto ela ia indo buscar água, ele gritou: “Por favor, traga também um pedaço de pão”(1 Reis 17:11). A viúva responde que não tinha mais nada, só um pouco de farinha e azeite para fazer a última refeição e morrer (1 Reis17:12). Elias tranquiliza ela, mas pede que faça um bolo pequeno para ele primeiro e depois para ela e seu filho. Perceba que mesmo ela tendo teoricamente sua última refeição, Elias pede que seja feito um pequeno bolo para ele. Por quê? Porque Elias é a figura de Deus neste texto. A primeira parte sempre deve ser de Deus. Embora é pequena, mas deve ser de Deus. O princípio da multiplicação entra em ação quando se é dado a primeira parte de Deus. Mesmo sendo pequena (dízimo), ela abençoa todo o resto e foi o que aconteceu com a viúva. Ela foi e fez conforme Elias lhe dissera. “E aconteceu que a comida durou todos os dias para Elias e para a mulher e sua família. Pois a farinha na vasilha não se acabou e o azeite na botija não se secou, conforme a palavra do Senhor proferida por Elias” (1 Reis 17:15,16).

“Honre o Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações; os seus celeiros ficarão plenamente cheios, e os seus barris transbordarão de vinho” (Provérbios 3:9-10). Vamos ver no antigo testamento muitos textos abordando o princípio da multiplicação.

 

No novo testamento, em duas montanhas da Galiléia Jesus multiplicou pães e peixes. João relata uma dessas multiplicações milagrosas (João 6:1-13). O milagre da multiplicação dos pães e peixes que alimentou mais de cinco pessoas é o único milagre registrado nos quatro evangelhos (Mateus 14:13-23; Marcos 6: 30-46; Lucas 9: 10-17).

O texto começa dizendo: “… algum tempo depois” (João 6:1). Este tempo deve ter sido de seis meses a um ano de diferença. Jesus está no mar da Galileia e uma multidão está com ele. Jesus olha a multidão e pergunta para Felipe onde comprariam pão para esta multidão comer (João 6:5-6). A pergunta de Jesus foi para colocar Felipe a prova, pois Jesus sabia o que iria fazer. Provavelmente Felipe ajudava, junto com Judas Iscariotes, das finanças dos discípulos. Felipe olha as circunstâncias e percebe que para alimentar aquela multidão tinha que ter em dinheiro mais de seis mil reais. O único que estava disposto a dar antes de ver, foi um rapaz que nem seu nome foi revelado. “Aqui está um rapaz com cinco pães de cevada e dois peixinhos, mas o que é isto para tanta gente? ” (João 6:9). Muitos de nós somos com Felipe, vendo tanta necessidade no mundo, olhamos para os nossos recursos e pensamos como ele. O que é este valor para tanta necessidade? Para nós não é nada, mas para Jesus é o suficiente para alimentar uma multidão.

Quando o rapaz deu seus cinco pães e dois peixes, Jesus abençoou sua oferta e multiplicou os recursos que foram dados. “Então Jesus tomou os pães, deu graças e os repartiu entre os que estavam assentados, tanto quanto queriam; e fez o mesmo com os peixes” (João 6:11). E no final, João relata o que aconteceu com a oferta do rapaz sem nome. “Depois que todos receberam o suficiente para comer, disse aos seus discípulos: “Ajuntem os pedaços que sobraram. Que nada seja desperdiçado”. Então eles os ajuntaram e encheram doze cestos com os pedaços dos cinco pães de cevada deixados por aqueles que tinham comido” (João 6:12,13).

 

Até o apóstolo da graça falou sobre o princípio da Multiplicação

 

O Texto de segunda de Coríntios nove do versículo seis até o versículo nove, Paulo fala claramente sobre o principio da multiplicação sobre as finanças. Ele faz uma analogia a agricultura lembrando que a colheita está diretamente ligada a quantidade de sementes que plantamos. “Lembrem-se: aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente” (2 Coríntios 9:6). Paulo usa o principio da multiplicação para os gentios. Muitos usam o versículo seguinte para defender sua ganância ou avareza financeira. “Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria” (2 Coríntios 9:7).

Muitos cristãos “dão” ao Senhor o que sobra, dão a Deus esmolas, e por isso o que tem recebido também são esmolas.

 

O que está te impedindo de viver o princípio multiplicação?

 

O que está de impedindo de ser desprendido na questão financeira? Você tem honrado Deus com seus dízimos e ofertas? Ou ainda está na onda dos avarentos que falam que não dão dinheiro para o pastor? Lembre-se que por causa dos avarentos e gananciosos, a igreja de Jesus está travada. Poderia fazer muito mais pelo Reino, mas não fazem. Se eu tivesse poder para criar uma Lei no Brasil, com certeza criaria esta: Proibido cobiçar ou desejar as coisas do próximo.