Palavra Culto Domingo // 05 de agosto

Onde você está investindo sua vida?

(Mateus 25:13-30)

 

O texto de Mateus conta uma parábola de Jesus. Jesus contou muitas parábolas no novo testamento. Não foi Jesus quem inventou as parábolas, elas já tinham sido usadas também no antigo testamento como no exemplo do profeta Natã e Davi (2 Samuel 12). Os fariseus e os rabinos daqueles dias também usavam parábolas para explicar a Lei de Moisés. Só que diferente dos fariseus e dos rabinos, Jesus usou parábolas para dar novas revelações ao povo Judeu e denunciar a hipocrisia dos religiosos da época. Jesus falava por parábolas para explicar verdades complexas de uma forma simples. Todas as parábolas de Jesus tinham um ou mais ensinamentos. Neste texto de Mateus vinte e cinco, o ensinamento de Jesus é sobre estarmos vigilantes para Sua volta, e quem entrará no Reino de Deus.

O texto começa dizendo que um homem saiu e confiou os seus bens. A um deu cinco talentos, outro dois talentos e outro um talento (vs15). Talento era uma soma de dinheiro que pesa um talento e que varia em diferentes estados, de acordo com as mudanças nas leis que regulam o dinheiro. Por exemplo, um talento de ouro em Israel dava 91 quilos. Isto em reais hoje seriam R$13.183,170,00. Dois talentos seriam R$26.366,340,00 e cinco talentos seriam R$65.915.850,00. Perceba que apesar da quantia ser grande, ela não pertence a estes servos, pois fazem parte dos bens do seu Senhor. Quem primeiro me deu alguma coisa, que eu lhe deva pagar? “Tudo o que há debaixo dos céus me pertence”. (Jó 41:11)Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam”. (Salmos 24:1). Segundo as escrituras, tudo pertence a Deus e nós somos seus mordomos. O mordomo no mundo antigo não possuía riquezas, mas administrava as finanças de seu senhor.

 

Só entra no céu quem é produtivo

 

Se Karl Max escutasse isso, ele ficaria louco. Por isso, ele era anti Deus. A ideia de lucro por produtividade, segundo os pensamentos modernos, está ligado à exploração, escravidão, cansaço, peso, etc. O fato de a imensa maioria dos crentes reclamarem de servirem em sua comunidade, está ligada diretamente ao pensamento marxista que tomou conta do Brasil, principalmente dos mais jovens. Mas acredite se quiser, no céu só entra quem for produtivo. O texto deixa claro que quando o senhor voltou, pediu prestação de contas do que aqueles servos tinham feito com o recurso que ele tinha deixado sobre suas responsabilidades. Os dois primeiros servos apresentaram suas prestações de contas com lucro. Eles não foram repreendidos por Jesus. Jesus não os censurou por eles apresentarem o lucro. Pelo contrário, foram elogiados por investirem os recursos que o seu senhor deixou aos seus cuidados.

Existe uma ideia que está sendo muito difundida em todo o meio evangélico, de que tudo o que você precisa é ter um coração amoroso, um coração fervoroso, e uma vez que a salvação não é pelas obras, nós não temos que trabalhar. Nos evangelhos, Jesus deu ênfase à produtividade. “Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma. Se alguém não permanecer em mim, será como o ramo que é jogado fora e seca. Tais ramos são apanhados, lançados ao fogo e queimados” (João 15:5,6). Jesus explicando a parábola do Semeador deixa claro que os seus filhos são produtivos. “Quanto ao que foi semeado em terreno pedregoso, este é aquele que ouve a palavra e logo a recebe com alegria. Todavia, visto que não tem raiz em si mesmo, permanece por pouco tempo. Quando surge alguma tribulação ou perseguição por causa da palavra, logo a abandona. Quanto ao que foi semeado entre os espinhos, este é aquele que ouve a palavra, mas a preocupação desta vida e o engano das riquezas a sufocam, tornando-a infrutífera. E, finalmente, o que foi semeado em boa terra: este é aquele que ouve a palavra e a entende, e dá uma colheita de cem, sessenta e trinta por um” (Mateus 13:20-23). Paulo deixa claro que embora a salvação seja pela graça, a consequência daqueles que são salvos é a produtividade no Reino. “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie. Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos” (Efésios 2:8-10). “Outros dirão, mas a salvação é pela fé e não por obras. Mas alguém dirá: “Você tem fé; eu tenho obras”. Mostre-me a sua fé sem obras, e eu lhe mostrarei a minha fé pelas obras. Você crê que existe um só Deus? Muito bem! Até mesmo os demônios crêem — e tremem! Insensato! Quer certificar-se de que a fé sem obras é inútil?” (Tiago 2:18-20). Toda a escritura está repleta de textos que falam que os filhos de Deus são produtivos sim.

 

 

 

A marca dos produtivos é a fidelidade

 

Tanto o servo que multiplicou cinco talentos, como o que multiplicou dois foram chamados por seu Senhor de servos bons e fiéis. Um dos frutos do Espírito Santo é a fidelidade (Gálatas 5: 22). O Senhor enalteceu a fidelidade nas pequenas coisas. “Foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei” (vs.21 e 23). A pergunta que devemos fazer é: O que é ser fiel nas pequenas coisas? Ser fiel nos dízimos e ofertas? Ser fiel no culto? Ser fiel na recepção e apoio? Ser fiel na reunião da célula? Ser fiel ao evangelismo? Ser fiel no quilo do amor? Ser fiel na oração? Ser fiel na leitura da palavra? Ser fiel no voluntariado geral? Como é difícil encontrar hoje pessoas que se dizem cristãs fiéis. Só vai subir quem for fiel.

 

No Reino de Deus não há espaço para preguiçosos

 

“Por fim veio o que tinha recebido um talento e disse: ‘Eu sabia que o senhor é um homem severo, que colhe onde não plantou e junta onde não semeou.

Por isso, tive medo, saí e escondi o seu talento no chão. Veja, aqui está o que lhe pertence’. “O senhor respondeu: ‘Servo mau e negligente! Você sabia que eu colho onde não plantei e junto onde não semeei? (Mateus 25:24-26)

A palavra negligente tem os seus sinônimos: desatento, descuidado, desleixado, distraído, omisso e relapso. Só que no grego a palavra negligente quer dizer no sentido de lento. Aí os sinônimos são: preguiçoso, vagabundo, lerdo, relaxado, vagaroso.

O servo negligente é uma pessoa que faz as coisas de Deus tudo nas coxas. Se der tempo faz. Anda distraído e está sempre perdido com as coisas espirituais. Mas a tabela do campeonato brasileiro ele sabe de cor. Sempre se esquece da reunião de oração, mas do jogo do seu time de futebol nunca esquece. Faz as coisas de Deus sempre reclamando. Para as coisas espirituais está sempre cansado, mas para as coisas desta vida está sempre disposto. Servo mau e negligente. Este será o veredito do Senhor quando Ele voltar e receber a prestação de contas de sua vida. Só que não fica aí. Jesus afirma: “E lancem fora o servo inútil, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes”. (Mateus 25:30). Este servo infelizmente foi para o inferno.

Eu não quero ouvir este veredito sobre a minha vida, e você quer? Por isso, pergunto outra vez: onde você está investindo sua vida?