Palavra Culto Domingo // 10 de Fevereiro 2019

QUEBRE A BARREIRA DO ISOLAMENTO

Uma das muitas tendências da sociedade moderna é a solidão e o isolamento. Há um crescimento significativo no número de pessoas que preferem viver solitárias. No início do século XX as famílias eram mais homogêneas, havia uma constituição familiar mais sólida e estável, e os divórcios eram raros. Com o passar do tempo isso foi mudando, sendo que hoje, segundo as estatísticas, no Brasil, 9% da população vive sozinha; em torno de 20 milhões de pessoas. Uma pesquisa feita nos EUA em 2006 revelou que 25% das pessoas declararam não ter amigos confidentes, e 19% disseram ter somente um único amigo confidente (geralmente cônjuge), aumentando o sério risco de solidão no caso do fim de tal relacionamento.
A solidão é definida como uma “profunda sensação de vazio”. Isso quer dizer que, mesmo estando rodeada de gente, uma pessoa pode se sentir solitária! E, quanto mais solitária se sente, mais tendência ao isolamento.
Deus nos fez para viver em família. Nossa estrutura humana (espírito, alma e corpo) só funciona bem e em harmonia se andarmos em relacionamentos. O isolamento portanto traz graves sequelas à saúde. A Bíblia diz: “Deus dá um lar aos solitários, liberta os presos para a prosperidade, mas os rebeldes vivem em terra árida” (Salmos 68:6). O solitário é como alguém que vive em terra árida, no deserto, um lugar totalmente estéril, onde não há sequer solo para vegetação. Uma pessoa isolada não progride, não prospera, não frutifica, não é plena. Por isso o isolamento é como uma prisão da qual Deus quer nos libertar! Podemos mencionar três possíveis causas do isolamento:
Ofensas. Todos os seres humanos são imperfeitos. As pessoas com os quais nos relacionamos, sem exceção, são cheias de defeitos; portanto, é inevitável sermos ofendidos e machucados. Muitas pessoas, traumatizadas por experiências negativas em conflitos de relacionamento (rejeição, crítica, maus-tratos, abandono, desprezo, hostilidade…), acabam se isolando para não mais serem machucadas. Elas se retraem, pois têm medo de sofrer novas decepções.
Baixa auto-estima. Pessoas que se sentem inferiores, incapazes, não tão qualificadas ou tão boas quanto os outros, tendem a se isolar. Num mundo cada vez mais exigente e competitivo cresce o medo de não corresponder às exigências do meio. A maior dor de alma é a rejeição; por isso em cada um de nós há uma busca constante, muitas vezes inconsciente, por aprovação. Muitos, por não se sentirem aprovados, preferem se afastar e andar solitários.
Esgotamento emocional. Quando alguém se dedica demasiadamente a uma causa e não vê os resultados esperados, a tendência é desistir e se afastar. Quantos não suportam a pressão e se sentem sozinhos na execução de determinada tarefa! Por não se sentirem reconhecidas ou recompensadas, decidem “dar um tempo”.
O plano eterno de Deus é formar uma família de muitos filhos semelhantes a Ele (Romanos 8:29). Nosso Deus é de aliança. Andar em família é andar em aliança, e é nesse ambiente que crescemos e amadurecemos para nos tornarmos plenos, como Deus planejou desde o início. O isolamento é uma expressão do nosso egoísmo – “Quem se isola, busca interesses egoístas e se rebela contra a sensatez” (Provérbios 18:1). Jesus não foi um monge isolado num mosteiro, mas estava entre as pessoas e se relacionava com todos (Mateus 9:35). Como você pode vencer o isolamento:
Não coloque expectativas em pessoas. Não espere perfeição de pessoas imperfeitas! Pare de se decepcionar desnecessariamente. Coloque sua expectativa de realização somente em Deus, que é perfeito em todos os Seus caminhos (II Samuel 22:31).
Não tente provar nada para ninguém. Não busque aprovação dos outros. Você é único, especial, precioso para Deus. Seja você mesmo. Você já foi aceito por Deus e amado por Ele, com todas as suas imperfeições (II Coríntios 12:9). Não tenha medo da rejeição, pois o Dono do Universo já o aceitou e acolheu.
Não espere recompensa. O que você recebeu de graça, dê de graça (Mateus 10:8). Não se deixe vencer pelas críticas, perseguições, ingratidão e não permita que o esgotamento emocional lhe paralise.
Elias, o profeta, havia passado por uma intensa guerra com os falsos profetas e os derrotou. Mas a rainha Jezabel o perseguiu e jurou de morte. Ele se sentiu esgotado, fugiu para o monte Horebe e entrou numa caverna. Lá se isolou, desistido do seu propósito de vida. Mas Deus apareceu a ele dizendo: “O que você está fazendo aqui, Elias?” (I Reis 19:9). Era para lembrá-lo que todo aquele potencial não podia ficar retido uma caverna. Na sequência Deus lhe disse: “Volte pelo caminho de onde veio…” (v.15). Existem cavernas emocionais das quais devemos sair. Elas querem confinar nosso potencial e impedir que o propósito de Deus se realize em nossas vidas.
Lute contra essa tendência ao isolamento. Reaja, e o Senhor lhe fará prosperar, em família, onde o solo é fértil, bem regado, no qual você dará muito fruto!

Roteiro de Célula