Palavra Culto Domingo // 18 de novembro

A Vida Pelo Espírito

(Romanos 8:1-18)

 

Paulo escreveu a carta aos Romanos em Coríntio, conforme indicam as referências a Febe (Rm.16:1; Cencreia era o porto de Coríntio), Gaio (Rm.16:23) e Erasto (Rm.16:23) – todos os quais estavam ligados a Coríntio.

O Apóstolo Paulo escreveu a carta perto do fim de sua terceira viagem missionária (mais provavelmente em 56 d.C.), quando se preparava para partir para a Palestina com uma oferta para os pobres cristãos da igreja de Jerusalém (Rm.15:25). Febe recebeu a importante responsabilidade de entregar essa carta aos cristãos romanos (Rm.16:1-2).

É provável que a igreja de Roma tenha sido fundada por alguns convertidos no Dia de Pentecostes.

O principal objetivo de Paulo escrever a carta aos Romanos era de ensinar as grandes verdades do evangelho a respeito da graça para os cristãos que nunca haviam recebido instrução dos apóstolos. Diferentemente de outras cartas onde Paulo escreveu para corrigir uma teologia incorreta ou repreender uma maneira de viver profana; a igreja de Roma era doutrinariamente sadia; entretanto, como todas as igrejas, necessitava dos ricos ensinamentos doutrinários e práticos que esta carta fornece.

O texto de Romanos 8 deixa bem claro o papel do Espírito Santo. A palavra Espírito Santo aparece 19 vezes só no capítulo 8, deixando claro que o objetivo de Paulo neste momento da carta era falar sobre o Espírito Santo.

Eu acredito que há uma grande confusão quando se fala do Espírito Santo. O primeiro questionamento sobre o Espírito Santo é: quando ele entra na pessoa? O Espírito Santo habita dentro de cada cristão no momento da salvação e todos aqueles que nasceram do Espírito devem ser cheios do Espírito e controlados por Ele.

Vamos entender o que é uma vida pelo Espírito Santo.

 

  • Ele nos livra do pecado e da morte

“Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus,

porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte”. (Romanos 8:1,2)

Nenhum pecado que um cristão possa cometer no passado, no presente ou no futuro, pode ser colocado contra ele, uma vez que o preço foi pago por Cristo e a justiça foi imputada ao cristão. Por isso, não há mais condenação para os que nasceram de novo em Cristo Jesus. O Espírito substituiu a lei, que produzia pecado e morte, por uma nova lei simples, que produz vida: a lei da fé. “Onde está, então, o motivo de vanglória? É excluído. Baseado em que princípio? No da obediência à lei? Não, mas no princípio da fé. Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei” (Romanos 3:27-28).

 

  • Nos capacita a cumprir a lei de Deus

“…a fim de que as justas exigências da lei fossem plenamente satisfeitas em nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Romanos 8:4).

A lei moral tem a sua base no caráter de Deus e é apresentada em linhas gerais nos Dez mandamentos; sua forma mais reduzida está nos mandamentos de Jesus para a pessoa amar a Deus e amar ao próximo como a ela mesma (Mateus 22:37-39). Ela nunca foi abolida e encontra sua autoridade na nova aliança. Embora o cristão não seja mais escravo da condenação e do castigo da lei moral, a lei ainda reflete o caráter moral de Deus e sua vontade. Paulo afirma também que agora andamos no Espírito. Não se trata de uma palavra de correção, ou um imperativo, mas é uma afirmação. Andar reflete no estilo de vida, hábitos de viver e pensar que caracterizam a vida de uma pessoa.

 

  • Transforma nossa natureza e nos concede força para obter vitória sobre a nossa carne.

“Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem, de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja.

A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz;

a mentalidade da carne é inimiga de Deus porque não se submete à lei de Deus, nem pode fazê-lo. Quem é dominado pela carne não pode agradar a Deus.

Entretanto, vocês não estão sob o domínio da carne, mas do Espírito, se de fato o Espírito de Deus habita em vocês. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo. Mas se Cristo está em vocês, o corpo está morto por causa do pecado, mas o espírito está vivo por causa da justiça. E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita em vocês, aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos também dará vida a seus corpos mortais, por meio do seu Espírito, que habita em vocês” (Romanos 8:5-11).

O que Paulo está afirmando aqui, é que todos os nascidos de novo em Cristo Jesus têm uma mentalidade diferente. Os não nascidos de novo tem nos seus pensamentos o desejo de satisfazer os desejos de sua carne pois não tem o Espírito. Já os que possuem o Espírito, são casa do Espírito Santo. E Ele, segundo Paulo, dará vida aos corpos mortais. Sendo assim, nossa natureza é transformada. Nosso estilo é mudado. Antes tínhamos o estilo deste mundo. Imoralidade, drogas, mentiras, inveja, etc. Agora, nascidos de novo, temos uma nova mente. Um novo estilo, uma nova maneira de ser. Uma nova maneira de ver a vida.

 

  • Confirma nossa adoção como filhos:

“…porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.

Pois vocês não receberam um espírito que os escravize para novamente temer, mas receberam o Espírito que os adota como filhos, por meio do qual clamamos: “Aba, Pai”. O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus” (Romanos 8:14-16).

Os cristãos não são guiados por impressões mentais e subjetivas ou estímulos para conceder orientação para tomar decisões da vida. Em vez disso, o Espírito de Deus guia, de modo objetivo, os seus filhos especialmente pela: Iluminação- o esclarecimento divinamente dado da escritura para torná-la nossa mente limitada e pecaminosa. Santificação- divinamente no ajudar a obedecer às escrituras.

O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus (v.16). Na cultura romana, para uma adoção ser legalmente concretizada, sete testemunhas respeitáveis tinham de estar presentes para atestar a sua validade. O Espírito Santo de Deus confirma a validade de nossa adoção, não por meio de uma voz interior mística, mas pelo fruto que produz em nós e pelo poder que ele fornece para o serviço espiritual. A ideia de Aba é um termo aramaico informal para Pai que transmite um sentido de intimidade. Já nos termos em nossa língua papai ou paizinho, indicam ternura, dependência e um relacionamento livre de medo e da ansiedade.

 

  • Garante a nossa glória final:

“Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se de fato participamos dos seus sofrimentos, para que também participemos da sua glória. Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada” (Romanos 8:17,18).

Todo cristão tornou-se herdeiro de Deus, nosso Pai. Nós herdaremos a salvação eterna, e o próprio Deus. Somos herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo. Deus nomeou o seu filho para ser o herdeiro de todas as coisas. “Mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo” (Hebreus 1:2). Todo o filho adotado receberá, pela graça divina, toda a herança que Cristo recebe por direito divino. Paulo afirma que participaremos da sua glória se de fato participamos de seus sofrimentos (v.17). A prova da glória final dos cristãos é que ele sofre – seja com zoação, calúnias ou perseguição por causa do Senhor. O estilo de vida dos filhos de Deus gera perseguições, mas os que suportam, são aqueles que vão herdar todas as coisas.