Palavra Culto Domingo // 30 de setembro

E AGORA, JOSÉ?

 

E agora, José?

A festa acabou,

o povo sumiu,

a noite esfriou,

e agora, José?…

Este é um trecho do poema de Carlos Drummond de Andrade, que ilustra o sentimento de solidão e abandono do indivíduo na cidade grande, a sua falta de esperança e a sensação de que está perdido na vida, sem saber que caminho tomar.

Quem nunca se sentiu perdido na vida, sem saber que caminho tomar? Quem nunca se desesperou em situações difíceis, sem conseguir enxergar uma solução, sem ver a luz no fim do túnel? Somos surpreendidos com as mais diversas e inesperadas situações que provocam medo, insegurança, dúvidas, conflitos internos, indecisão… Nunca sabemos o que vem depois da próxima curva! A sensação de que tudo está perdido nos deprime, entristece e faz perder a fé. Pode ser problemas financeiros, enfermidades, conflitos conjugais, perda de emprego, crise profissional, perda de algum ente querido, enfim situações que afetam nossa estabilidade emocional. Nessas horas pensamos: e agora, o que fazer?

 

Nem tudo que reluz é ouro

Em situações de stress e pressão nos agarramos sempre a uma “tábua de salvação”. Ou seja, no desespero, nossa forte tendência é aceitar a primeira proposta para a solução de um problema. Em busca de alívio imediato, não medimos consequências, e por isso tomamos decisões impensadas. Por estarmos emocionalmente vulneráveis fazemos escolhas erradas. Mas tem um ditado que diz: “Nem tudo que reluz é ouro”. O que pode ter uma boa aparência pode ser destrutivo.

A Bíblia diz: “Há caminho que parece certo ao homem, mas no final conduz à morte” (Provérbios 14:12). Somos movidos pelo que vemos, pelas aparências. Os olhos são as janelas da nossa alma. Mas, nem tudo que parece bom é realmente bom.

 

As duas portas e os dois caminhos

Jesus disse certa vez: “Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram” (Mateus 7:13-14).  A porta larga representa tudo aquilo que parece mais fácil, que está ao nosso alcance fazer, baseados na autoconfiança. O caminho largo é aquele pelo qual todo mundo entra, é o que quase todos fazem, é o padrão de atitude generalizado, a maneira mais fácil de resolver os problemas; muitas vezes, não levando em conta a ética, os princípios, a moral, etc. É o caminho que coloca o ego no centro, que estimula o hedonismo, o prazer próprio.

A porta estreita é a que leva à vida. Por quê? Porque ela é do tamanho de Jesus – “… Digo-lhes a verdade: Eu sou a porta das ovelhas” (João 10:7). Ele também disse que é o caminho (João 14:6). Se é estreito e apertado, então tem que se estreitar, se diminuir, se adequar a Ele; trata-se de se humilhar, de se render, de confiar no padrão que Ele propôs e não em nossa própria inteligência. O sábio Salomão disse: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apoie em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará a suas veredas. Não seja sábio aos seus próprios olhos; tema o Senhor e evite o mal. Isso lhe dará saúde ao corpo e vigor aos ossos”. (Provérbios 3:5-8). A princípio, parece um caminho mais difícil, pois tem a ver com quebrar o nosso orgulho e autossuficiência, mas o resultado é fantástico!

 

Faça a escolha certa

Segundo Jesus, os que entram pela porta larga são muitos. Por quê? Porque ela não faz nenhuma exigência, é só seguir o curso, é só entrar na correnteza e andar a favor dela. A porta estreita exige uma reflexão, uma consciência, uma intencionalidade de contrariar a maioria. Portanto, o que tem aparência de bom pode me levar à morte, mas o que tem a aparência de difícil e impraticável pode me levar à vida!

Hoje é tempo de fazer uma escolha, tomar uma decisão. Se você se sente perdido, Jesus já deu a dica. É uma questão de confiança. Se até agora as suas escolhas não deram certo, por que não tentar uma alternativa? Por que não provar a direção dada por Jesus? Será que o Filho de Deus, o Criador de todas as coisas, não sabe o que está dizendo?

Pelo menos desconfie do caminho fácil: divórcio, suborno, imoralidade, egoísmo, adultério, desonestidade financeira, inimizade, separação, etc. Isso pode até trazer alívio, mas é temporário. Tudo o que contraria o princípio, nos leva à morte. O princípio é o próprio Jesus. Vale a pena segui-Lo, se deixar conduzir por Ele. Além de saúde física, isso lhe dará saúde espiritual, e o mais importante: vida eterna!

 

Roteiro de Célula