Palavra Domingo // 13 de maio

Igreja, lugar de todos – 2

(Tiago 2: 1-9)

 

Quem escreve este texto é o meio irmão de Jesus; testemunha ocular do Messias. Inicialmente descrente (Jo 7:5), mas que depois de ver  Ele ressurreto (1Co 15:7), foi convencido que este era de fato o filho de Deus. Era o líder da igreja em Jerusalém, e ficou conhecido como Tiago o justo por causa da sua devoção a justiça. Era conhecido como uma das colunas da igreja juntamente com Pedro e João.

 

O exemplo de Jesus Cristo.

Ele escolheu uma aldeia humilde como a de Nazaré e viveu lá 30 anos, se propôs a exercer seu ministério (Mt 20:28), na região da Galileia e Samaria que era objeto de desprezo para os líderes de Israel.

Questões como classe social, etnia, idade, gênero foram destruídas diante da sua missão relevante de salvar o mundo inteiro.

Vivemos numa cultura imposta pelo que apresentamos, isto tem entrado no meio da igreja, mas em todo tempo olhamos a palavra nos ensinando a verdadeira maneira de conviver com nossos irmãos e com os que ainda não são.

Se escolhermos viver em Jesus Cristo, precisamos andar como Ele mesmo anda através do Seu Espírito que habita em nós (Jo 14:17).

 

 

 

O seu mandamento

Amar a Ele em primeiro lugar em nossa vida, e ao nosso próximo como a nós mesmos (Mc 12:30-31), isto nos mostra a maneira coerente de como devemos proceder em nossa vida. Não ensina que devemos “avaliar” quem e como as pessoas se apresentam, ou oque elas possuem.

Para que a igreja se torne um COMUNIDADE ACOLHEDORA, precisamos construir esse ambiente.

Nossos olhos precisam estar voltados para a missão, e não impor uma condição religiosa ou até mesmo classificatória. Sermos seletivos, ou até mesmo preconceituosos. Como vimos no último domingo, várias classes de pessoas a nossa volta podem estar se perdendo pela inoperância da imparcialidade da igreja na terra.

Nosso desafio: atrair todos ao convívio da igreja sarada e pronta para restaurar qualquer vida que venha até nós ou ainda melhor; que nós vamos nos dispor a alcança-las.

 

 

      Classes diferentes em meio a igreja

Se de fato esperamos que em nosso meio ajam todo tipo de pessoas, é necessário que primeiramente aprendamos a tratar coerentemente com cada uma delas.

Os que tem mais posses devem ser recebidos de igual modo aos que tem uma vida mais simples financeiramente, mas também não os tratar com desprezo ou até mesmo hostilidade. As crianças não são menos importantes pelo fato de serem ainda crianças, os idosos não têm menos valor pelo fato de não terem mais o vigor da sua plena juventude, os surdos e outros que possuem alguma limitação e deficiência. Se temos entre nós alguma autoridade, não sabemos assim como agir, mas então devemos nos lembrar de como nos ensina as escrituras em relação a estes também (1 Tm 2:1-3).

Temos a tendência de sermos seletivos nos nossos relacionamentos; pois é muito mais fácil, e não nos esforçamos para sair da zona de conforto.

 

Como se comportar

Equidade- Imparcialidade – Justiça

Apreciação, julgamento justo.

  • respeito à igualdade de direito de cada um, que independe da lei positiva, mas de um sentimento do que se considera justo, tendo em vista as causas e as intenções.

Virtude de quem ou do que (atitude, comportamento, fato etc.) manifesta senso de justiça, imparcialidade, respeito à igualdade de direitos.

Correção, lisura na maneira de proceder, julgar, opinar etc.; retidão, equanimidade, igualdade, imparcialidade.

Segundo o v.9, Deus nos ensina se agirmos fora deste padrão nos tornamos transgressores, ou seja, pecamos.

 

Transgressor :

contraventor, infrator, violador, condenado,criminoso,culpado, ré)

 

 

      Igreja, o segundo corpo de Cristo.

Num corpo (1 Co: 12 21-25) não existe nenhum membro menos importante. Todos são plenamente fundamentais para a qualidade de vida saudável.

Quando Jesus voltar, Ele não vai deixar de fora este ou aquele por ser menor ou maior, pois todos são de igual valor